skip to content
 

Entrevista - Centro de Custos

 

Criado por Patrícia Pereira em ter, 07/06/2016 - 08:27 | Editado por Patrícia Pereira há 2 semanas.

 

 

 

 

 

A iniciativa visa modelar os critérios de distribuição de recursos e subsidiar a tomada de decisões na Universidade. Esse modelo de gerenciamento faz parte do Plano de Gestão da UFOP - instrumento que define as realizações da Universidade e os resultados pretendidos - e descentraliza ações e recursos. Em funcionamento desde o início do ano em alguns setores da Instituição, o sistema está regulamentado pela Resolução Cuni 1801. 

Para o reitor Marcone Jamilson Freitas Souza, o sistema é uma necessidade para a Universidade. "Cada setor recebe seus recursos e pode gastar melhor esses recursos com o novo sistema. Porém, é necessário também um melhor planejamento dos gastos", assinala. Ele completa que, o modelo orçamentário utilizado antes limitava o repasse de recursos e, com isso, não contemplava todos os setores. 

Já o diretor de Orçamentos e Finanças (Dof), Eduardo Curtiss, utiliza-se do crescimento da UFOP, a partir da implantação do Reuni, em 2008, para explicar que, com essa evolução da Instituição, crescem também os desafios. Segundo ele, independentemente do atual momento político e econômico, para uma instituição pública sobreviver e dar continuidade às suas atividades e ações, são necessárias mudanças, visando o futuro. "Precisamos otimizar, organizar a Universidade para reduzir despesas, sem reduzir a qualidade. Organizarmos para enfrentar novos cenários", comenta. 

NA PRÁTICA - Cada atividade da Universidade tem um custo. Para isso é necessário um diagnóstico para traçar uma política de investimento. O diretor da Dof busca como exemplo a Divisão de Transporte. "Suponhamos que o setor tenha 100 veículos. Quantos motoristas são necessários? Gera despesas? Sim. Temos DPVAT, outras taxas, garagens, manutenção etc. Diante disso, definimos o modelo de gestão e traçamos um quadro de ações para a Divisão de Transportes. Além disso, temos que definir também quais mudanças o setor precisa implementar para racionalizar recursos. Já realizamos mudanças no deslocamento para a capital e aeroporto. Valeu a pena? Que outras mudanças podem ser propostas e implementadas?", esclarece Curtiss. 

Com a criação dos Centros de Custos, cada setor vai implantar essa política de gerenciamento de acordo com sua necessidade; além disso, ações gerais podem ser viabilizadas, envolvendo todos os departamentos e unidades, como economia de energia, por exemplo. 

TRANSPARÊNCIA E MUDANÇA DE CULTURA - Para fazer ajustes ao modelo proposto, que se adequem às necessidades da UFOP, os treinamentos são realizados junto aos servidores da área administrativa dos diversos setores e unidades da Instituição. "Temos um cronograma de implantação. Os setores vão passar por treinamento e orientação e precisam se adaptar ao modelo. É uma mudança de cultura na gestão de recursos", ressalta Curtiss.  

O sistema é mais uma forma de demonstrar eficiência e transparência da gestão pública, culminando na apresentação de dados mais detalhados sobre a execução orçamentária e financeira da Universidade.